CRMV-RS
CRMV-RS


CRMV-RS dá dicas simples para evitar morte de pássaros por colisão em vidros
15-04-2021

Os números dão a dimensão da gravidade da situação: bilhões de pássaros morrem por ano ao bater em vidros transparentes ou refletivos, cada vez mais utilizados na parte externa de prédios comerciais e edifícios residenciais. O problema tem se agravado com o aumento do uso de placas de vidro em substituição aos muros em casas. Em ambos os casos, as aves não reconhecem as vidraças como obstáculos a serem desviados e acabam colidindo. 
 

Para se ter uma ideia do problema, acidentes assim podem até mesmo extinguir uma espécie, como alertam a American Bird Conservancy e National Audubon Society. Segundo as entidades, somente nos Estados Unidos e no Canadá, 1 bilhão de aves morrem todos os anos ao colidirem com vidros. Na Europa, são cerca de 250 mil mortes por dia. 

 

O Brasil não tem estatísticas a respeito, mas estima-se que o número seja gigantesco levando em conta a taxa de urbanização, que quase triplicou em 60 anos:  passou de 31,2% em 1940 para 84,3% em 2010, de acordo com Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

 

Mas como resolver a situação? 
 

O Conselho Regional de Medicina Veterinária do Rio Grande do Sul (CRMV-RS), por meio de sua Comissão de Bem-Estar Animal (CBEA), apresenta dicas simples e eficazes. Colar nos vidros adesivos ou películas transparentes com elementos desenhados é uma alternativa. Manter persianas e cortinas fechadas também previne acidentes. 

 

Outra alternativa é fazer pinturas nas vidraças. Há ainda a possibilidade de optar por vidros escuros e não refletivos. “O importante é ter uma  sinalização que mostre às aves que há um obstáculo em seu caminho. Isso as faz desviar, minimizando a ocorrência de choques”, explica a médica veterinária Luelyn Jockmann, coordenadora da CBEA.

 

Caso um passarinho colida com o vidro e sobreviva, é possível ajudá-lo sem ter que esperar que morra a própria sorte. Pegue uma caixa de sapatos, por exemplo, e faça alguns furos. Em seguida, coloque-o dentro dela e leve-a para um ambiente silencioso para que o pássaro se acalme. “As aves são muito sensíveis e podem morrer não só pela batida, mas também pelo estresse e manipulação”, orienta Luelyn. Espere pelo menos 20 minutos para tentar soltá-lo, abrindo a tampa da caixa do lado de fora do lugar em que o animal sofreu o acidente. 

 

Caso o pássaro não voe passados os 20 minutos, procure um médico veterinário especialista em animais silvestres para orientá-lo. Muitas vezes são filhotes aprendendo a voar, e em alguns dias, com tratamento adequado, já estarão aptos a serem reintroduzidos na natureza.

 

“Fomos nós que construímos janelas e portas de vidro, portanto, a culpa por esses acidentes é nossa, seres humanos, que interferimos na natureza”, aponta a médica veterinária, ao lembrar que a vida é um direito fundamental garantido. “Se todos fizerem a sua parte e respeitarem o direito à vida de qualquer espécie, seja humana ou animal, teremos um mundo melhor”, destaca.





Conselho Regional de Medicina Veterinária do Rio Grande do Sul
Rua Ramiro Barcelos, 1793/201 - B. Bom Fim - Porto Alegre/RS - CEP: 90035-006
Fone:(51) 21040566 - crmvrs@crmvrs.gov.br